Archives

Viagens

Clima, praias, vestir, e visitar em Miami

 

O meu itinerário para 11 dias foi estipulado pela minha amiga Rita que vive lá! Não podia ter tido mais sorte porque para alem de ter sido a companhia perfeita, adora fotografia, tem um enorme sentido estético e muito conhecimento da cidade!

Clima

O clima é quente durante todo o ano, no entanto húmido e tropical, no meu caso tive muita sorte porque apanhei sol quase todos os dias e uma media de 35 graus e quando é assim, tudo fica mais fácil! Na verdade a previsão metereologica era sempre má, o que não aconteceu, então aproveitamos os primeiros dias para correr as praias todas.

Praias

As praias que ficam separadas por pontes chamam-se Keys e há bastantes, é a caminho dessas praias inclusive South Beach (que é uma cidade independente de Miami) que conseguimos ver a skyline, sempre diferente e deslumbrante todos os dias a diferentes horas do dia.
Corremos as praias todas de south Beach e confesso que as casinhas dos nadadores salvadores são de facto muito giras e apelativas às fotos, só não tirei mais fotos porque depois era só casinhas no meu instagram! Outra key mais calma e com uma beleza inquestionável é key biscayne!

Vestir

Portanto o que vestir durante o dia é biquini com vestido por cima, nunca se sabe quando se pode dar um mergulho! O tempo é fabuloso e as praias ótimas, mas atenção há tubarões, eu vi, eu filmei, eu estive dentro de agua com um, tinha um tamanho considerável mas para ser sincera, fiquei surpreendida com a atitude dos americanos, muitos deles tinham uma postura passiva perante tamanha besta, credo fiquei eriçada como os gatos! À noite só é preciso um casaco para aqueles restaurantes em que o ar condicionado funciona bem demais.

Visitar

Apesar de Miami ser uma cidade recente, ha bastantes coisas a visitar para além das praias, pontos obrigatórios e diferentes do habitual:

Lincoln Road, Collins Avenue e Washington Avenue – no centro de South Beach para compras de todo o tipo.

Wynwood distrit – É um distrito que transborda arte, desde todas as paredes pintadas, desenhadas ou grafitadas por artistas, a galerias, cafés, bares e restaurantes onde privilegiam a arte. Adorei e foi o sitio onde tirei mais fotos!

Ocean Drive – Onde a loucura escondida de Miami se junta toda! Sim escondida porque só nesta avenida é que vi este desfilar de vaidades…pelos vistos mais ao fim-de semana. É uma avenida paralela à Washington Avenue em South Beach e está cheia de excentricidade, nos carros, nas roupas e nas atitudes! Adorei apesar de ter sentido um misto de medo com divertimento! Mas é seguro, pelo menos estava cheio de policias 😉

Miami Art Museum – conhecido como MAM foi inaugurado em 1984 e tem essencialmente arte contemporânea, as exposições vão variando e a arquitetura e beleza do edifício enchem o olho.

Financial district (Brickell) e a Skyline (recorte dos edifícios na lina do horizonte) – na hora do por do sol principalmente, presenteiam-nos todos os dias com diferentes cores e luzes que resultam numa magia que só esta cidade tem!

No Comments
Aventura Viagens

Islândia o país que mais me fascina!

Nunca fui à Islândia. Mas quero! Muito ! Não sei se pelo frio, ( sim sou uma dessas “aves raras” que gosta de frio) ou pela ideia de sossego que me vem à mente quando penso neste país.7-day-northern-lights-self-drive-tour-destination-ice-cave-0 Entre quem diga que é magnifico, mas um destino caro, ou quem ache que é um sitio pouco movimentado decidi tirar teimas e investigar.
Se os meses de junho, julho e agosto são os que têm temperaturas mais amenas e dias longos podendo a luz do dia chegar até à meia-noite (com o amanhecer às 3 da manhã), é nos meses mais frios e com poucas horas de luz que se tem uma maior probabilidade de ver em perfeitas condições a famosa aurora boreal. Também os glaciares acessíveis por via terrestre só são visíveis nos meses de frio, obviamente.

waterfalls-in-iceland-1Independentes do clima ou da estação estão as cascatas de tirar o fôlego, as lagoas, os animais marinhos e os fenómenos vulcânicos que são tão característicos a este país, que embora pertencendo à Europa nos parece tão longínquo.
Vistas bem as coisas, a ideia de visitar a Islândia não só me atrai, como percebi ainda que posso aliar a viagem a outros hobbies de que gosto, mais precisamente o trekking, percursos de mota ou mesmo todo-o-terreno!

top-10-beautiful-waterfalls-of-iceland-10 Para relembrar o que é trekking, se atendermos à definição da Infopédia esta modalidade “consiste em fazer longas caminhadas em terrenos acidentados ou montanhosos, pernoitando ao relento em locais que integram o itinerário”.
Há muitos que afirmam estar na Islândia o percurso de trekking mais bonito do mundo: “Landmannalaugar Pearl of the Highlands”. Considerado de nivel fácil, exige três dias de caminhada em excursão com guias locais. Resistência ao frio e os devidos apetrechos são essenciais para a aventura.

top-10-beautiful-waterfalls-of-iceland-6

Assim sendo, se concretizar este objetivo em 2017 não vou sem o material adequado. Poucas coisas: botas de montanha, roupa térmica, equipamento para a chuva, luvas à prova agua, gorro, mochila com coisas de uso diário, saco cama, toalha, óculos de sol, protector solar, bastão de hiking… ☺
Quanto mais penso mais me entusiasmo! Já agora, fica aqui a proposta. Se vocês já foram e têm boas sugestões comentem. Não esquecerei de ter em conta os vossos comentários e de vos pôr a par dos próximos preparativos.
Questões práticas:
Não há voos diretos de Portugal para a capital Reiquiavique (ou Reykjavík). A escala mais comum é em Londres (outras cidades como Barcelona, Paris, Berlim ou Varsóvia também têm voos diretos)
As companhias low cost Easyjet e Wizzair voam para a Islândia desde Londres: boa oportunidade para preços mais vantajosos.
O custo da viagem, dependendo da época, pode variar entre 250 ou 750 euros
As localidades são pequenas pelo que o alojamento disponível é pouco e por isso mais caro
A moeda local: coroa islandesa
O custo de vida é dos mais caros da Europa
Beijinhos e boas viagens!!

No Comments
Viagens

Vamos viajar de forma económica?

E se viajássemos mas conseguíssemos poupar em toda a logística da viagem de forma a trazermos um guarda roupa novo por exemplo! Esquece a ideia de que viajar é caro.

Há imensas formas de programar uma viagem mais barata do que aquela que ja estavas a contar gastar.

A minha ultima viagem fez-me ficar mais atenta a este factor e por isso deixo-vos aqui algumas dicas:

  • Fazer comparação de sites de planificação de voos e comparar preços. Pessoalmente gosto muito do Skyscanner. De seguida o melhor é reservar o bilhete diretamente na companhia aérea que apresentar os preços mais vantajosos. Regra geral os sites de compra de bilhetes cobram uma taxa que encarece o preço.
  • Subscrever as newsletters das companhias aéreas que voam para os teus destinos de sonho. Volta e meia aparecem promoções muito vantajosas.
  • Janeiro é a melhor altura para pesquisar voo, regra geral estão mais baratos.
  • Tentar viajar em épocas baixas. Evitar como dias de partida ou chegada os fins-de-semana: os preços dos voos são mais baratos em dias de semana como terça e quinta-feira.
  • Reservar casa através do Airbnb em vez de hotel. Geralmente mais económica, esta é uma forma de receber ótimos conselhos dos anfitriões e de ter uma perspetiva mais local e menos turística do sitio para onde se viaja. Permite-te preparar refeições e poupar nos restaurantes.
  • Fazer piqueniques, é uma forma de comprarmos comida no supermercado (as vezes mais saudável) e conhecer os parques, ou jardins, ou rios, ou praias do destino.
  • Consulta o sites como o Time Out da cidade para onde vais, tem sempre bons planos ou até mesmo sites  que propõem frequentemente acordos interessantes e promoções vantajosas.

Boa Viagem!!

1 Comment